quinta-feira, agosto 27, 2009

A Bagunça Perfeita



Ontem, devidamente abduzida pela mortal TPM que me ataca todo mês, me rebelei.

Foi um daqueles dias em que não pendurei a bolsa no cabide (na lavanderia, bem escondidinho), deixei o sapato no meio do quarto e a pia cheia de louça (para lavar). Ah, odeio acordar de manhã e encontrar esse cenário caótico, mas ontem, eu estava rebelde.

Resultado, o maridex chegou e levei a maior bronca, rsrsrs. Como o meu instinto serial killer já estava mais amansado, acabei pondo a louça para lavar, guardei os sapatos (a bolsa, ele guardou) e hoje, ao levantar e fazer o café, me deparei com a cozinha "tinindo", do jeito que gosto.

Aí fiquei pensando: pôxa vida, conheço tanta gente que acha absolutamente normal essa baguncinha diária (e ele também conhece!). Pessoas que não ligam para as chaves rolando em cima do móvel e a bolsa e o casaco jogados sobre o sofá da sala; que não passam a roupa antes de guardar; que deixam várias coisinhas amontoadas em prateleiras e por aí afora.

Por que para algumas pessoas existe essa obsessão com o arrumado, o organizado e outras aparentemente "necessitam" de um pequeno caos, embora sejam extremamente organizadas em outros aspectos.

Um tempo atrás, li o comentário sobre um livro chamado "A Perfect Mess", de Eic Abrahanson e David Freedman, que trata desse assunto. Na época, ainda não havia sido lançado aqui no Br, mas seus excertos já eram amplamente alardeados como escudo de defesa pelos bagunceiros de plantão.

Bem, hoje, circulando pelas livrarias virtuais, vi que o livro foi lançado aqui no Brasil com o nome de "Uma Bagunça Perfeita - Como aproveitar as vantagens da desordem". Não li ainda, vou comprá-lo, tinha até me esquecido de acompanhar quando sairia a versão traduzida.

Porém, já recomendo, porque talvez nos desencadeie uma reflexão positiva: de que a forma a bagunça ou a organização interferem em nossa vida???

Comentários

Recomendados para Você