sexta-feira, outubro 02, 2009

Mais Ikebana



Recebi muitos comentários no post sobre a aula do Prof. Erisson e fico muito feliz de ajudar a divulgar esses eventos aqui no blog.

Embora seja uma coisa muito natural na minha vida (minha família é messiânica desde que eu tinha 2 anos) e eu tenha crescido com o raro privilégio de sempre apreciar um ikebana, seja em casa, nas aulas ou nas exposições que a Fundação Mokiti Okada realizada, sei que não é acessível a muitas pessoas.

Pelo pouco contato, as pessoas tendem a usar a concepção de arranjo floral, mas é mais que isso, a flor do Ikebana transmite o sentimento de quem a vivifica.

Existem várias escolas, várias academias e vários métodos da prática do Ikebana. Cabe a cada um encontrar aquele com o que mais se identifica.

Em todos eles, porém, o respeito à natureza e o reconhecimento daquela flor como uma benção do Criador estão presentes.

Dois objetos comuns na prática do Ikebana, são o hanadome ou kenzan e a tesoura.








O primeiro, segundo uma amiga é o "segredo da mágica". Na verdade, é um suporte pesado de metal, com pinos que ajudam a fixar a flor. E é aí que entra a importância do curso de Ikebana, pois você aprenderá todas as técnicas de fixação da flor, sejam os galhos finos, duros, espessos ou os mais frágeis. Eu não vou contar aqui, façam o curso.

A utilização desse suporte nos arranjos, especialmente os de estilo Moribana, é que confere aquele shape delicado e altivo que só um Ikebana possui, característico.

O corte do galho também é fundamental para garantir a fixação do galho ou caule no kenzan. Por isso, existem tesouras específicas para a prática. Nada impede o usos de uma tesoura de jardinagem comum, mas a medida em que for se aprofundando, surgirá a necessidade de algo mais específico.

Observe que a tesoura de Ikebana possui um design diferente, com a ponta bem afunilada. Embora seja forte e resistente para cortar galhos mais espessos, a sua ponta afunilada é bem delicada, adequada aos caules mais frágeis.









Uma das coisas que mais causa surpresa a quem aprecia um Ikebana é a pequena quantidade de flores que esses arranjos demandam. Por exemplo, para compor um estilo Moribana, você pode usar apenas 3 flores, 1 folha de seringueira e 1 complemento qualquer, que pode ser 1 ramo de tango.

Um buquê de rosas, então, é suficiente para vários e vários arranjos.

Minha sugestão: assista uma aula de Ikebana para conhecer melhor essa arte. Esses conceitos presentes no Ikebana são capazes de transformar uma sociedade. E um projeto pioneiro da Fundação Mokiti Okada começa a ministrar aulas de Ikebana no Sesi do Paraná. Bacana, né?

O link para a matéria completa é esse:
http://www.fmo.org.br/fmo2/noticia.asp?codnot=625

O link para saber mais sobre os cursos de Ikebana:
http://www.fmo.org.br/fmo2/curso_ikebana_sanguetsu.html

Como disse, existem várias academias de ikebana. Porém, creio que a Sanguetsu é a mais completa, porque envolve também o estudo da espiritualidade presente na realização do arranjo. Pelo que pesquisei, também, é uma das opções mais econômicas.

Comentários

Recomendados para Você