segunda-feira, janeiro 17, 2011

DECORAÇÃO: ESTANTES DE ONTEM E DE HOJE





As estantes surgiram com a nobre função de acondicionar livros. Com a invenção da TV, o design desta peça se modificou e ganhou volume para acomodá-la.

Com as novíssimas (e cada vez mais finas!) TVs, a internet e os e-books, a estante "esquece" as funções antigas e, cada vez mais, ganha destaque como elemento decorativo.


Que tal relembrar um pouco as inúmeras faces que esta peça sempre presente no mobiliário já assumiu?



Foi no século XIX que a estante se tornou peça de mobiliário fundamental nas casas de famílias ricas e abastadas. Símbolo de status e dinheiro, as casas não poderiam ser construídas sem uma copa e um cômodo destinado a servir de biblioteca e escritório.

Geralmente, suntuosa, a decoração deste cômodo contava com acabamentos em madeiras nobres, tapetes, mármore e objetos requintados.


O tempo passou e o móvel destinado a abrigar livros ganhou tamanho, estilo, formato e acabamentos variados. Até bem pouco tempo atrás, quase impossível encontrar uma casa que não abrigasse uma estante ou livreiro.

Depois, se transformou para abrigar a TV, peça central da sala de estar. Os livros, desta vez, deixaram de ser companheiros da estante e foram esquecidos em outro canto da casa.



As enormes TVs de tubo exigiam móveis maiores e mais profundos. Foi assim que a estante ganhou compartimentos diversos, que passaram a aconcidionar também livros, bebidas, taças, copos e objetos decorativos.

Quanto maior e mais imponente, melhor.




Finalmente, as TVs de plasma e LCD deixaram para trás a necessidade de um móvel tão grande. Um pequeno rack acomoda até mesmo o maior dos modelos. Painéis e suportes de parede acabaram de vez com a exigência de um móvel exclusivo para TV.



Liberadas da função de acomodar a TV, as estantes ganham força como elementos decorativos e a preocupação com design cria peças cada vez mais bonitas, que podem acomodar objetos decorativos e, também, livros.







Comentários

Recomendados para Você